O MÁGICO DE OZ E SUAS RAÍZAES OCULTAS - PARTE 1

 http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/d/d2/Wizard_title_page.jpg

Apesar de o Mágico de Oz ser amplamente percebido como um conto de fadas de crianças inocentes, é quase impossível não atribuir um significado simbólico para a busca de Dorothy. Como em todas as grandes histórias, os personagens e os símbolos do Mágico de Oz podem ser dados em uma segunda camada de interpretação, que pode variar dependendo da percepção do leitor. Muitas análises apareceram ao longo dos anos, descrevendo a história como um "Manifesto Ateísta", enquanto outros a viram como uma promoção do populismo. É através de uma compreensão da história filosófica do autor e crenças, porém, que o verdadeiro significado da história pode ser apreendido.

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/c/cb/Cowardly_lion2.jpg

L. Frank Baum, autor de O Mágico de Oz era um membro da Sociedade Teosófica, que é uma organização baseada em pesquisa do ocultismo e do estudo comparado das religiões. Baum tinha uma profunda compreensão da Teosofia e, conscientemente ou não, criou uma alegoria dos ensinamentos teosófiocos quando ele escreveu o Mágico de Oz.  
O que é Teosofia?

 

A Sociedade Teosófica é uma organização oculta, principalmente baseada nos ensinamentos de Helena P. Blavatsky, que visa extrair as raízes comuns de todas as religiões a fim de formar uma doutrina universal.

"Mas talvez seja conveniente afirmar inequivocamente que os ensinamentos, porém fragmentados e incompletos, contidos nestes volumes, não pertencem nem aos hindus, ao zoroastrismo, ao astrólogo, nem a religião egípcia. Nem o budismo, o islamismo, o judaísmo nem o cristianismo exclusivamente. A Doutrina Secreta é a essência de todas elas. Voltando em suas origens, os diversos regimes religiosos são feitos para fundir ao seu elemento original, do qual cada mistério e dogma cresceu, se desenvolveu e se concretizou. "
-H.P. Blavatsky, A Doutrina Secreta

Os três objetos declarados da Sociedade Teosófica original, estabelecido por Blavatsky, Olcott e Judge (seus fundadores) foram os seguintes:

"Primeiro - Formar um núcleo da Fraternidade Universal da Humanidade, sem distinção de raça, credo, sexo, classe ou cor.
Segundo - Para incentivar o estudo de Religião Comparada, Filosofia e Ciência.
Terceiro - Investigar as leis não explicadas da Natureza e os poderes latentes no homem ".
-O teósofo, vol 75, n º 6

    H.P. Blavatsky

Os grandes princípios da Teosofia estão descritos minuciosamente  nas obras de Blavatsky "Ísis Revelada" e "A Doutrina Secreta". No núcleo dos ensinamentos teosóficos são os mesmos princípios encontrados em muitas outras escolas de ocultismo: a crença da existência de uma "centelha divina" dentro de cada pessoa que, com a disciplina e treinamento adequado, pode levar à iluminação espiritual e um estado de divindade virtual.

Outro princípio importante encontrado na Teosofia é a reencarnação. Acredita-se que a alma humana, como todas as outras coisas no universo, passam por sete estágios de desenvolvimento.

"Escritos teosóficos propõem que as civilizações humanas, como todas as outras partes do universo, desenvolvem ciclicamente através de sete etapas. Blavatsky postulou que toda a humanidade, e certamente cada mônada reencarnante humana, evolui através de uma série de sete "Raças Raízes". Assim, na primeira idade, os seres humanos eram puro espírito, na segunda idade, eram seres assexuados que habitam o continente perdido agora de Hiperbórea; na terceira idade os lêmures gigantes foram informados por impulsos espirituais dotando-os com a consciência humana e da reprodução sexual. Os seres humanos modernos, finalmente, desenvolveram no continente da Atlântida. Uma vez que a Atlântida foi o ponto mais baixo do ciclo, a  quinta idade presente é um momento de despertar dons psíquicos da humanidade. A expressão psíquica aqui realmente significa a realização da permeabilidade da consciência, uma vez que não era conhecida no início da evolução, embora sentida por algumas pessoas mais sensíveis de nossa espécie."

O objetivo final é, naturalmente, para retornar ao estado de divindade a partir do qual nós emergiu. Os mesmos princípios (com variações sutis) pode ser encontrado em outras escolas, como Rosacrucianismo, Maçonaria e outras ordens que ensinam os Mistérios.

L. Frank Baum, Um Teósofo Notável


Antes de escrever o Mágico de Oz (ou mesmo contemplando a tornar-se um autor de histórias infantis), Baum realizou muitos trabalhos - uma das quais foi editor do Aberdeen Saturday Pioneer. Em 1890, Baum escreveu uma série de artigos que introduz seus leitores a Teosofia, incluindo a sua opinião sobre Buda, Maomé, Confúcio e Jesus Cristo. Naquela época, ele não era membro da Sociedade Teosófica, mas ele já demonstrava um profundo entendimento de sua filosofia. Aqui está um trecho de seu "Editor's Musings":

"Entre as várias seitas tão numerosas na América de hoje que encontra a sua base fundamental do ocultismo, a Teosofista está pré-eminente tanto na inteligência e no ponto de números. A Teosofia não é uma religião. Seus seguidores são simplesmente "buscadores da verdade". Os teosofistas, na verdade, são os insatisfeitos com o mundo, os dissidentes de todos os credos. Eles devem sua origem aos sábios da Índia, e são numerosos, não só no Oriente distante, famoso e místico, mas na Inglaterra, França, Alemanha e Rússia. Eles admitem a existência de um Deus - não necessariamente de um Deus pessoal. Para eles, Deus é a Natureza e a Natureza de Deus ... Mas, apesar disso, se o Cristianismo é a Verdade, como nossa educação nos ensinou a acreditar, não pode haver nenhuma ameaça a ele na Teosofia ".
-L. Frank Baum, Pioneer sábado Aberdeen, 25 jan 1890

Em outra de suas "Editor’s Musings", Baum discute o uso do simbolismo místico na ficção, algo que ele realizou dez anos mais tarde, com o Mágico de Oz:

"Há uma forte tendência em romancistas modernos para a introdução de alguma veia do misticismo ou ocultismo em seus escritos. Livros desta natureza são avidamente comprados e lidos pelas pessoas, tanto na Europa e América. Ele mostra o desejo inato em nossa natureza para desvendar o misterioso: a procurar alguma explicação, porém fictícia, do inexplicável na natureza e na nossa existência diária. Pois, como avançamos na educação, o nosso desejo de conhecimento aumenta, e estamos menos satisfeitos em permanecer na ignorância do que o misterioso manancial de onde emana tudo o que é sublime e grandioso e incompreensível na natureza. "

No final deste artigo, Baum entra em uma súplica por mais ocultismo na literatura:

"O apetite do nosso tempo pelo ocultismo requer ser satisfeito, e ao mesmo tempo com a mediocridade das pessoas irá resultar em sensacionalismo, levará  em muitos a um pensamento  muitos mais alto e mais nobre e mais ousados, e quem pode dizer o que esses mistérios corajosos podem se desvendar em idades futuras? "
-L. Frank Baum, Aberdeen Saturday Pioneer, 22 de fevereiro de 1890

Dois anos depois de escrever esses artigos, de L. Frank Baum e sua esposa Maud Gage aderiram a Sociedade Teosófica, em Chicago. Os arquivos da Sociedade Teosófica, em Pasadena, Califórnia, registrou o início da sua pertença ao 04 de setembro de 1892. Em 1890, o Mágico de Oz, foi publicado. Quando perguntado sobre como Baum teve sua inspiração para a história, ele respondeu:

"Foi pura inspiração ... Veio-me para mim dessa forma. Eu acho que às vezes que aquele grande autor tem uma mensagem que quer transmitir e que Ele tem para utilizar o instrumento em mão. Aconteceu de eu ser aquele médium, e acredito que a chave mágica me foi dada para abrir as portas a solidariedade e compreensão, alegria, paz e felicidade. "
-L. Frank Baum, citado por 73 Hearn

O Mágico de Oz é muito apreciado no âmbito da Sociedade Teosófica. Em 1986, a revista americana teosofista reconheceu Baum como "um teosofista notável", que bem representou a filosofia da organização.

"Embora os leitores não olharem em seus contos de fadas pelo seu conteúdo Teosófica, é significativo que Baum se tornou um famoso escritor de livros infantis, depois que ele entrou em contato com a teosofia. Idéias teosóficas permeiam seu trabalho e serviram de inspiração para ele. Na verdade, o Mágico pode ser considerado como alegoria Teosófica, permeado por idéias teosóficas do começo ao fim. A história veio à Baum como uma inspiração, e ele aceitou com um certo temor como um dom de fora, ou talvez de dentro, ele mesmo. "
-Americano teosofista n º 74, 1986

Então, qual é o significado esotérico da história de criança, que veio a Baum como uma "inspiração divina"?
 
Continua....

0 comentários:

Postar um comentário

Comente, Questione, Critique, Aconselhe, Tire Dúvidas.

Mas difamações, ataques pessoais, trollagens, xingamentos, atitudes de intolerância, assim como comentários à serviço de militâncias políticas e religiosas não serão aceitos!

Fica reservado ao Blog Filhos de YHWH ou não, de comentários anônimos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

468x60

energia a preço justo
Nelson Neto. Tecnologia do Blogger.
 
Filhos de Yhwh © 2012 | Designed by Nelson Neto