VOCÊ ACREDITA QUE O HOMEM FOI A LUA? - PARTE 2

Dando continuidade a esta matéria  vemos que  Esta foto é famosa, com boas penumbras:


Foto com penumbras que não deveriam existir na Lua.

Veja mais uma foto com penumbras extremamente acentuadas:


Buzz Aldrin não seria visível, na Lua, estando no meio de uma sombra.

Abra a foto acima e veja todos os detalhes e a nitidez da imagem. Só tem um problema: Edwin Aldrin está bem no meio da sombra do Módulo Lunar. Ou seja, seria para tudo ali estar completamente escuro, totalmente preto, devido à ausência das partículas de oxigênio e outros gases que não estão presentes no vácuo. Aldrin não deveria estar visível nesta foto.
Mais uma foto intrigante é esta abaixo, da bandeira dos Estados Unidos tremulando na Lua, num local onde não há atmosfera. E se não há atmosfera, não há vento! Como ela poderia tremular?


Buzz Aldrin junto à bandeira dos EUA tremulando na Lua, onde não existe vento.

A bandeira da foto acima não estaria recebendo um vento tão intenso a ponto de ficar esticada da forma mostrada. Note que, na parte superior da bandeira, há uma haste para mantê-la sempre esticada. Mas, como explicar que, mesmo nos filmes gravados na época, são exibidas imagens da bandeira tremulando? Segundo a NASA, devido à pouca gravidade existente na Lua e ao fato dos astronautas terem acabado de tocar na bandeira, ela teria ficado tremulando sozinha ainda por algum tempo.

Abra a foto acima e veja também a quantidade de pegadas no solo "lunar". Porém, encontramos outro problema: normalmente, para que se forme a marca de uma pegada, teria que haver umidade no ar. Na Lua não tem ar! Muito menos umidade! Levando-se também em consideração a pouca gravidade da Lua para manter a poeira abaixada, seria praticamente impossível que se formassem pegadas tão bem definidas como estas abaixo, encontradas em milhares de outras fotos tiradas "na Lua". Uma pegada, na Lua, poderia se desmanchar assim que a bota do astronauta levantasse do chão, tal como acontece no fundo do mar, onde há umidade aos extremos.

Quer ver algumas pegadas mais de perto? Clique nas fotos abaixo para vê-las ampliadas.
       
Fotos de pegadas, que dificilmente se formariam na Lua, devido à ausência de umidade.

É ridículo e absurdo termos acreditado na ida do homem à Lua por tantos anos, por tantas décadas, sem questionarmos os detalhes dos acontecimentos.

Veja mais esta foto, cheia de penumbras, sombras em múltiplas direções, diversas pegadas e preste uma atenção especial na base do módulo lunar. Veja como parece que o módulo foi colocado delicadamente ali. Amplie a foto abaixo e note como são profundas as pegadas do astronauta na superfície lunar enquanto o pé do módulo lunar se mostra perfeito sobre a superfície, sem afundar. Nem parece que esse pé foi um dos responsáveis pela sustentação, durante uma queda, de um módulo de tantas toneladas.


Foto com penumbras, sombras em múltiplas direções, pegadas inconsistentes,
ausência de marcas profundas do pé do Módulo Lunar e
solo aparentemente molhado num local onde não existe água.

Não deixe de verificar também, na foto acima, como parece haver uma divisão no solo: a parte inferior da foto, cheia de pegadas, se assemelha muito a solos úmidos, mais fáceis de contraírem marcas de pegadas; enquanto a parte do solo ao fundo possui a aparência seca, praticamente sem pegadas.

Veja, na primeira foto abaixo, como parece que até ajuntaram um montinho de terra antes de colocarem esse pé do módulo lunar onde ele se encontra. Agora, veja bem a segunda foto abaixo. Preste bastante atenção no formato do solo. Verifique que a terra está um pouco solta apenas ao redor do pé do Módulo Lunar parecendo que alguém trouxe esse montinho de terra de outro lugar possivelmente apenas para que este pé do módulo lunar não ficasse suspenso no ar e para que tudo ficasse bem arrumadinho na foto! Nesta Lua da NASA!... Nesta Lua dos Estados Unidos. 


Indícios do Módulo Lunar não ter pousado na Lua.

Preste muita atenção, agora, nos pés do módulo e no chão que está bem embaixo da parte central do Módulo Lunar. Não há sinal algum de que o módulo tenha vindo do espaço, com propulsores potentes que provavelmente teriam feito grandes marcas embaixo do módulo. Do jeito que está na foto, até parece que o módulo foi colocado delicadamente nesse lugar.


Módulo Lunar da Missão Apollo 11. Você crê que isso voa?

Você crê que aí dentro há combustível suficiente para alimentar um propulsor capaz de colocar este módulo em órbita?

Abaixo, mais uma foto do Módulo Lunar, tirada mais de perto, facilitando a nossa visualização da existência ou não de grandes marcas no solo abaixo do propulsor.


Ausência de grandes marcas no solo abaixo do Módulo Lunar.

Em seguida, outra foto do Módulo Lunar, sem indícios visíveis da utilização de um propulsor. Além disso, a foto foi batida contra o Sol. Tente fazer isso aqui na Terra e veja se a foto sairá queimada ou não. Na Lua, a foto se queimaria mais facilmente ainda, tendo em vista que lá não há atmosfera. Na Lua, a luz solar incidiria com maior rigor e queimaria a foto.


Foto batida contra o Sol sem queimar o negativo.
Chão sem indícios de utilização do propulsor na hora do pouso.

Abra a foto acima e note também que há uma espécie de cartaz muito nítido colado ao Módulo Lunar com os dizeres "UNITED STATES". Batendo uma foto como esta, contra o sol, nunca seria possível conseguir enxergar tais dizeres! Tente fazer isso aqui na Terra e veja como a fotografia sairia queimada. Portanto, tudo indica que a foto acima trata-se de uma montagem muito mal elaborada com a assinatura mor dos "UNITED STATES".

E então? Está gostando das paisagens das fotos? É... realmente essas paisagens, tal como as paisagens do Deserto de Nevada, nos Estados Unidos, não é das melhores.

Veja, agora, que interessante! Esta próxima foto não é da Missão Apollo 11. E sim da Apollo 17, que ocorreu três anos depois. Veja que parece que a NASA percebeu o vacilo de ter deixado os pés do Módulo Lunar colocados suavemente sobre o chão e resolveram tentar corrigir a falha, desta vez, afundando o pé do Módulo Lunar para que a foto se aproxime mais da realidade.

Na 6a expedição, o pé do Módulo Lunar aparece como deveria ser: afundado no solo da Lua.
Um visitante do site A Fraude do Século, que se identifica como KTF, um engenheiro que fez doutorado na área de Ciências Aeroespaciais na Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, com vários professores e engenheiros que participaram do projeto Apollo da NASA, que teve a oportunidade de conhecer pessoalmente Neil Armstrong, nos brinda com um depoimento muito instigante! Ele diz que "no caso das pegadas e das marcas dos suportes do módulo lunar, se uma pegada feita por um astronauta pode fazer a marca indicada nas fotos, imagine a 'marca' que os suportes do módulo fariam no solo lunar. Não se observam estas marcas! O sistema de propulsão para frear o módulo teria feito uma enorme marca no solo devido à força dos gases (princípio da ação e reação). Como você observou, essas marcas não existem. Em segundo lugar, o 'piloto automático' não funcionou, segundo o relato de um professor que ajudou no projeto. O Filtro de Kalman teve que ser desativado por falta de ruído, e Neil assumiu o comando manual causando um grande impacto no pouso. Onde estão as marcas do impacto?" Segundo KTF, muitos norte-americanos acreditam piamente que o módulo pousou na Lua embora hajam alguns aspectos técnicos inexplicáveis. Segundo ele, que não acredita na versão oficial da NASA, a viagem à Lua provavelmente aconteceu, mas não o pouso no solo Lunar! KTF ainda diz que "Outro ponto, como você observou, é o tamanho do módulo lunar que não é consistente com o sistema de propulsão necessário para colocar os astronautas de volta em órbita lunar. Há muitos outros itens que podem ser contestados. Mesmo sendo um tecnocrata profundo conhecedor de muitos detalhes técnicos, não acredito ainda que o homem tenha tocado o solo lunar e retornado." Com certeza, KTF nos deu uma grande contribuição para que caminhemos rumo à verdade.

Parece que o filme A Fantástica Viagem, de 1966, que mostrava uma aventura dentro do corpo humano, inspirou a NASA a criar um filme de outra fantástica viagem três anos depois: A Fantástica Viagem do Homem à Lua. Analisando todos esses fatos, poderíamos até mudar a categoria do filme A Fantástica Viagem do Homem à Lua. Não o encontraríamos na seção de filmes de ficção científica ou aventura. Mas, poderíamos encontrá-lo juntamente com os capítulos da série Acredite Se Quiser!
 
Meu intuito em criar o site A Fraude do Século e escrever o livro de mesmo nome é mostrar a todos as dúvidas que pairam quanto às viagens do homem à Lua, destacando as incoerências das fotos e dados, levantando os indícios da possível não ida do homem à Lua bem como as contestações a esses indícios para que a verdade venha à tona.

Bem, vamos voltar a analisar mais algumas fotos.

Nesta próxima foto, famosa também, podemos ver a diferença entre o tamanho das sombras de Neil Armstrong (sombra menor) e Edwin Aldrin (sombra maior). Os tamanhos dessas sombras são muito desproporcionais mas, por incrível que pareça, não haviam lá duas fontes de iluminação. Eu confesso que cheguei a desconfiar desta foto que é, na verdade, parte de uma filmagem. Quando tive acesso ao filme, pude perceber a movimentação dos astronautas durante toda a filmagem e consegui verificar que a sombra de Neil Armstrong está menor por haver um pequeno relevo no solo logo atrás dele, numa exata inclinação que poderia nos fazer pensar que haviam duas fontes de iluminação no local.


Sombras com tamanhos diferentes, mas devido a um pequeno relevo no solo.

Pelo jeito, a bandeira dos Estados Unidos foi fincada na Lua em mais de um lugar. Compare a foto acima com a foto abaixo e verifique a distância existente entre a bandeira e o Módulo Lunar.


Bandeira dos Estados Unidos muito próxima do Módulo Lunar, divergente com a foto anterior.


Mesma foto anterior ampliada, com o rosto de Buzz Aldrin exposto à radiação solar.

A foto acima é uma ampliação da foto anterior. Dentro do capacete dos astronautas, há uma proteção bem escura que deve ficar sempre abaixada para evitar a radiação solar. Mas note, na foto acima, como Aldrin suspendeu a proteção contra a radiação solar para aparecer melhor na foto. Ele não está olhando para frente. Ele está com o rosto virado para a câmera! O Sol emite uma radiação, na Terra, de aproximadamente 0,36 REM/ano. REM é abreviatura de Roentgen Equivalent for Man. Dentro de estações espaciais, astronautas costumam receber radiações de cerca de 6 REM por ano. Mas, na Lua, esta radiação pode chegar a até 7.000 REM por minuto! Tendo em vista que a população do nosso planeta está acostumada a receber entre 0,1 e 2 REM/ano e o ser humano conseguiria resistir a um máximo de 4,5 REM/mês, a radiação de 7.000 REM/minuto torna-se letal para qualquer ser humano! Esses dados podem ser conferidos em estudos realizados pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, publicados no endereço http://astro.if.ufrgs.br/esol/esol.htm na seção Tempestades de 1999 a 2003; e também em estudos realizados pela Universidade Estadual Paulista no endereço http://inorgan221.iq.unesp.br/quimgeral/nuclear/nuclear8.html

Além destas referências brasileiras, no último parágrafo do endereço www.nas.nasa.gov/About/Education/SpaceSettlement/75SummerStudy/Chapt.2.html, no qual há um estudo feito pela própria NASA sobre as propriedades físicas do espaço, conseguimos encontrar uma informação de que, normalmente, um ser adulto consegue suportar até 5 REM/ano, embora hajam casos de exposição a 50 REM/ano, que se aproxima bem dos 4,5 REM/mês citados acima. A exposição de um humano a 500 REM ocasiona sua morte em apenas 48 horas. Portanto, se Aldrin estivesse na Lua, seu rosto estaria exposto a essa enorme radiação. E, segundo as informações acima, essa radiação seria letal para Edwin Aldrin!

Que roupas eram aquelas utilizadas pelos astronautas que resistiam a uma radiação solar tão exacerbada? Que roupas eram aquelas que resistiam também a altíssimas e baixíssimas temperaturas que existem na Lua e ainda suportavam à extrema falta da pressão atmosférica? Quanto mais próximo um corpo está do nosso planeta (no fundo do mar, por exemplo) maior é a pressão, que tende a comprimir o corpo humano e esmagá-lo. Com a ausência da pressão, o corpo humano tende a dilatar e até mesmo a explodir! Fato semelhante pode acontecer até mesmo dentro do nosso próprio planeta. Imagine a seguinte situação: você está numa cidade litorânea, no nível do mar, a temperatura local está em 20 graus Celsius e o grau de ebulição da água é cerca de 100ºC. Então, você resolve fazer uma viagem de avião, a 30 mil metros de altitude. Lembre-se que a água ferve a 100ºC no nível do mar porque, numa altitude 0 (zero), a pressão atmosférica é de 100.000 Pascal. Quanto mais alto for o local que você estiver, menor será a pressão atmosférica e menor será o grau de ebulição da água. Tendo em vista que a temperatura do nosso corpo fica em cerca de 36ºC, se alguma parte da fuselagem da aeronave rompesse e anulasse a pressurização na aeronave, seu sangue ferveria dentro do seu próprio corpo! Quando a altitude atinge os 18.900 metros, a pressão atmosférica reduz para apenas 6.180 Pascal e a temperatura necessária para ebulição da água passa a ser a mesma temperatura no corpo humano. É morte, na certa! E, mesmo se o sangue não fervesse, você também poderia morrer congelado tendo em vista que, em média, a cada acréscimo de mil metros de altitude, a temperatura cai cerca de 2 graus Celsius. Portanto, se a temperatura na tal cidade litorânea estivesse em 20ºC, a 30 mil metros de altitude, estariam fazendo cerca de 40ºC negativos! Com a redução drástica da pressão, seu corpo também tenderia a dilatar ou até mesmo explodir! Será que aquelas roupas dos astronautas resistiriam a tudo isso naquela época?

Continua... 

0 comentários:

Postar um comentário

Comente, Questione, Critique, Aconselhe, Tire Dúvidas.

Mas difamações, ataques pessoais, trollagens, xingamentos, atitudes de intolerância, assim como comentários à serviço de militâncias políticas e religiosas não serão aceitos!

Fica reservado ao Blog Filhos de YHWH ou não, de comentários anônimos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

468x60

energia a preço justo
Nelson Neto. Tecnologia do Blogger.
 
Filhos de Yhwh © 2012 | Designed by Nelson Neto