PROJETO MK ULTTRA (PARTE 9)


 O Projeto MK ULTRA (Parte 9)
  
Ao avaliar o significado do jogo que uma criança fez, no planejamento das intervenções, os terapeutas consideraram que os personagens dos dramas podem representar valores do mundo exterior ou da própria criança no seu mundo interior. 


Ou então, uma figura pode até representar simultaneamente ambos. No DID, as experiências mais traumatogênicas, respostas defensivas (por exemplo, a identificação do agressor), emoções e representações de objetos, incorporam-se nos estados de personalidades, que são manifestados no jogo. Figuras agressivas retratam os prováveis agressores, bem como personalidades que se comportam como sendo as abusadoras. 

Temas violentos podem representar um abuso prévio, fantasias raivosas e lutas internas entre os estados das personalidades. Desenhos que retratam retaliações contra um agressor, muitas vezes, num nível mais profundo, refletem da criança o medo de um ataque terrível.

Cuidado pode representar relações externas ou cuidadores interiores de personalidades de alguns bebês traumatizados. Muitas vezes mudanças caracterizadas dentro dos dramas, como na criança, mudam os estados de identidade. Por exemplo, uma figura pode inicialmente retratar um agressor externo, em seguida, tornar-se o auto-agressivo, e em seguida, representa a criança com medo de si mesma. 
Esta derivação multi-determinada de caracterizações no jogo tem implicações no tratamento crítico. Até o significado do drama é totalmente elaborado, a resposta mais segura pode ser para refletir as ações, sentimentos e motivações de todos os personagens desse drama.
Algumas personalidades agressoras foram originalmente criadas pelas crianças como uma medida cautelosa, para garantir a conformidade com os abusadores de modo a não sofrer com a sua ira. Eles agem de uma forma assustadora, assim como os abusadores, e ameaçam os filhos com danos qualquer, as personalidades consideram violar a vontade dos abusadores, como divulgar o abuso, ou se recusar a cumprir as diretivas dos abusadores. Sua tirania interna pode continuar por anos após a proteção for concedida, uma vez que muitas dessas personalidades são muitas vezes "furadas em uma urdidura de tempo", tendo seu abuso contínuo.

O Projeto MK ULTRA (Parte 9)
As personalidades abusadoras também podem ser auto-estados que foram feridas em uma idade muito jovem e que se defendem contra o medo e a sensação de impotência por se identificarem com seus agressores, e assumindo a sua conduta e comportamento. Podem acreditar nas mentiras e promessas dos abusadores e pegar de seus agressores a visão das pessoas, do mundo e o modo de vida. 

Eles podem estar em risco de abusos sexuais ou físicos de outras crianças ou animais. Eles costumam assustar crianças. Podendo assumir o controle de execução do corpo da criança e da consciência, cometendo atos abusivos, enquanto outras personalidades mais centrais ficam na amnésia, tendo apenas uma perda de tempo.
Nos abusos ritualísticos satânicos organizados, bem como em alguns de pornografia infantil e pedofilia, crianças são forçadas a abusar de outras crianças quando são fisicamente capazes. Elas são estimuladas a dirigir sua fúria reprimida em abuso de mais vítimas indefesas. Pelo projeto, o que resulta em sua visão a si mesma como nos membros da seita. Confrontado com a sua capacidade de abuso, muitas crianças fizeram de outras crianças severamente abusadas muitas vezes desenvolverem uma visão aguçada, por vezes, mesmo na pré-escola, do que os agressores também foram vítimas.

A complexidade da questão dos auto-estados abusadores não termina aqui. Vítimas de abuso, muitas vezes têm personalidades intencionalmente torturadas na criação de servir os abusadores. A dor e o terror são usados para forçar uma outra divisão, a formação de uma nova personalidade. Esta nova peça é testada para o cumprimento do grupo agressor, geralmente com comandos para machucar outra criança ou matar um animal. 

Se ele não cumprir, a tortura continua até que uma personalidade é criada e completamente fiel e servir para o grupo agressor. É dada um nome e função. Além disso, a tortura garante seu silêncio. Essas personalidades são muitas vezes programadas para causar graves danos físicos por conta própria, colocando as crianças em risco para o suicídio, se o abuso começa a ser recolhido ou divulgado.

Essas personalidades cumprem a agenda dos abusadores na esperança (falsa) de que eles serão menos prejudicados, poupados, ou dado uma posição de status e poder, se eles se comportarem como eles dizem.

O Projeto MK ULTRA (Parte 9)

Outro tipo de personalidade agressora não é realmente uma parte da criança. Vítimas de abusos organizados podem ter números em seus mundos interiores que funcionam em muitos aspectos, mas são realmente entidades externas "implantadas" no mundo interno dessa criança, através de uma programação, no estilo do controle da mente. Estas funções das pseudo-personalidades, como robôs, realizando comportamentos limitados, tais como telefonando para o agressor, ou entrar em um prédio particular, não tendo vontade humana ou sentimento, inteligência e etc..


Esses implantes não-humanos são, em casos de controle da mente sofisticadamente abusivos, ancorados em estados de personalidades genuinamente humanas da criança, dando-lhes a capacidade de uma ação planejada. Pelo projeto, a remoção desses implantes sem antes desarmar-los e desconectá-los das verdadeiras personalidades pode ter efeitos graves, físicos e secundários. 

Por exemplo, a criança pode voltar a se sentir psicologicamente chocada, sufocada, congelada, etc.. Nestes casos complexos a remoção é feita, ou pelo menos supervisionada por especialistas com experiência em segurança desabilitando o controle de programação.(Stephen Oglevie, 2001 )
Infelizmente, para muitas vítimas de abusos organizados, suas paisagens internas e suas características, incluindo os lugares aparentemente seguros, foram instalados como tortura mentalmente baseada em controle da mente e hipnose para o controlador ter controle sobre o indivíduos e suas personalidades. Essas pessoas estão em risco de desenvolverem apenas novas imagens contaminadas de segurança e de cura.

Um bom ponto de partida para a discussão direta de respostas dissociativas é a investigação de como a criança mentalmente enfrentou durante os episódios de abuso. Shengold, em "Crianças Abusadas e Privações: assassinatos da alma" (1979), explicou que as crianças usam "auto-hipnose"para "desligar" e compartimentalizar todas as emoções durante os episódios de abuso. Relatórios de crianças bloqueando experiências do abuso, fazendo tabelas de multiplicação, concentrando-se em um ponto na parede, deixando seus corpos, voando, mudando para outro canal de televisão em sua mente, imaginando estar em outro lugar (praia, parques de diversões), ou com outra personalidade assumida, "desaparecendo" quando o episódio de abuso é extremo.
Um exemplo artístico que pode ser citado neste assunto (você vê e ainda verá essas referências na mídia) é de Michael Jackson, não que ela tenha sido abusado sexualmente, pois sobre isso não há noticias, mas algumas pessoas que acompanharam a vida do cantor podem perceber como isso foi implantado em sua vida, tente depois notar em relação desta matéria com a vida de Michael Jackson e os Illuminati, e perceberá algumas coisas. 

Caso alguns estejam bem “ligados” sobre algumas novidades da mídia, irão notar que o filme abaixo é uma forma bem sutil de apresentar e mudar a mentalidade das crianças de acordo com o que foi explicado nessas duas sub-partes da Parte 5 apresentadas até agora.

O Projeto MK ULTRA (Parte 9)

Continua…


0 comentários:

Postar um comentário

Comente, Questione, Critique, Aconselhe, Tire Dúvidas.

Mas difamações, ataques pessoais, trollagens, xingamentos, atitudes de intolerância, assim como comentários à serviço de militâncias políticas e religiosas não serão aceitos!

Fica reservado ao Blog Filhos de YHWH ou não, de comentários anônimos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

468x60

energia a preço justo
Nelson Neto. Tecnologia do Blogger.
 
Filhos de Yhwh © 2012 | Designed by Nelson Neto