PREGADORA DO FILME EM QUE CRIANÇAS ORAM EM LÍNGUAS CONTA SUA HISTÓRIA

Já se passaram cinco anos desde que o público viu pela última vez a pregadora pentecostal Becky Fischer, que se tornou famosa por seu papel carismático no documentário de 2006 "Jesus Camp".

 Jesus-camp
Finalmente, pronta para explicar o que realmente aconteceu nos bastidores do filme controverso, que deixou muitos Cristãos e não Cristãos, zangados e perturbados, Fischer ressurgiu para a esfera pública mais uma vez com seu mais recente livro, Jesus Camp: Minha História.


Perguntas como "Por que [ela] permitiu que o filme fosse feito em primeiro lugar?" E "Por que ela não renunciou [o filme], quando muitos líderes cristãos achavam que ela deveria?" E por último "O que aconteceu com as crianças retratadas?" estará entre os muitos assuntos abordados no livro.


"Estou escrevendo [este livro] tanto para o meu benefício como em benefício das famílias que estavam ali como qualquer outra pessoa, porque há muito mais que aconteceu ali do que o aconteceu no filme", escreveu ela no prefácio.



"Há histórias incríveis ainda para serem ditas ... que simplesmente nunca foram filmadas nem têm sido dito em nenhum lugar".


O documentário, que acompanhou várias crianças que participavam de um acampamento de verão organizado pelo Kids in Ministry International (KIMI) de Fischer, retratou a vida dentro de uma comunidade cristã evangélica.
Apresentando a adoração das crianças com fogo e cheios de lágrimas e orações em línguas, o filme recebeu muitas críticas por "doutrinar" as crianças a se tornarem jovens guerreiros para Cristo, treinando-os para dar a vida por causa do Evangelho.

Muitos sentiram que os diretores do filme, Heidi Ewing e Rachel Grady, injustamente fizeram o elenco com Cristãos evangélicos em uma luz desfavorável.

"O filme de 2006 foi um documentário sarcástico, tendencioso, politicamente correto que retratou os Cristãos evangélicos, fundamentalistas, carismáticos e culturalmente preocupados guerreiros como muito estridentes e perigosos", declarou o Dr. Ted Baehr, colunista de MovieGuide e o Christian Film & Television Commission, na frente do livro.


"Era um retrato astutamente negativo dos crentes comprometidos, entusiasmados como Becky, as crianças retratadas, amigos e famílias".


Mas o que os cineastas e produtores podem ter pretendido para o mal, Deus tem usado para o bem, Baehr compartilhou.


"Muitos espectadores foram capazes de ver a borda cáustica passada [do filme] na representação fiel das crianças crentes cristãs apaixonadas e seus líderes. Os e-mails inspiradores de telespectadores incluídos ao longo deste livro revelam Cristãos comprometidos, que entenderam que, eles e os indivíduos apresentados neste filme são realmente mais sábios, mais entusiasmados, e mais comprometidos do que outros segmentos da sociedade. Eles devem ser admirados".


Embora muito tempo tenha se passado desde o lançamento do filme, os efeitos foram duradouros, de acordo com Fischer.

"O filme parece ter assumido uma vida própria e ainda está impactando pessoas de todo o mundo após todo esse tempo", escreveu ela. O mesmo ódio que ela recebeu, ela igualmente recebeu em amor dos Cristãos se não mais, que aplaudiram seus esforços e quiseram ver como eles poderiam se envolver em seu ministério.


Após o filme, seu ministério KIMI ganhou muita exposição, apesar de todos os ataques, e se expandiu de forma explosiva em todo o mundo. Ela, no entanto, cancelou o destaque do acampamento de verão "Kids on Fire", devido à reação pública negativa e vandalismo no local logo após o lançamento do filme.

"Eu não sou totalmente estúpida. Eu sabia os riscos permitindo uma empresa de cinema secular fazer um filme sobre nós", Fischer revelou em seu primeiro capítulo. "Mas eu não tinha nada a esconder e paz em meu coração sobre seguir em frente".


Tudo o que ela queria fazer era deixar que as pessoas "vessem por si mesmos, como foi o Espírito Santo descansar sobre as crianças e ver sua reação à presença de Deus".

"Eu queria que eles vissem o quão poderoso era assistir crianças orarem, adorarem, e fazerem os milagres que Jesus fez quando elas foram ensinadas como fazer no seu nível de compreensão".

Olhando para trás, no entanto, o pastor North Dakota admitiu que ela "altamente subestimou como a mídia secular, para não mencionar um público secular, poderia mal entender e mal interpretar completamente quase tudo [que ela] disse e fez".


Mas mais do que isso, Fischer se perguntou, "Por um acaso eu de algum modo trouxe involuntariamente vergonha ao Evangelho de Jesus Cristo e meus irmãos cristãos?"

"Houve algumas coisas sobre toda a experiência que poderia trazer lágrimas aos olhos mais rápido do que somente uma pergunta pela qual eu não tive resposta [um] por um longo tempo".


Mas o que ela sabia era que Deus estava usando o filme como "uma grande ferramenta para a expansão do ministério das crianças sobrenaturais ao redor do mundo", que compartilhou com o Tribune Bismarck.


"Só o tempo dirá se eu tenho sido bem sucedida em atender às necessidades de ambos", concluiu Fischer em seu prefácio, referindo-se aos Cristãos devotos e não crentes.


Atualmente, Fischer viaja internacionalmente, treinando diretores da KIMI no México, Austrá
ia, Quênia e índia, bem como dentro dos Estados Unidos.

Até o momento, mais de 900 líderes foram treinados, ministrando a cerca de 10.500 crianças em 11 países, segundo o site de sua organização.

0 comentários:

Postar um comentário

Comente, Questione, Critique, Aconselhe, Tire Dúvidas.

Mas difamações, ataques pessoais, trollagens, xingamentos, atitudes de intolerância, assim como comentários à serviço de militâncias políticas e religiosas não serão aceitos!

Fica reservado ao Blog Filhos de YHWH ou não, de comentários anônimos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

468x60

energia a preço justo
Nelson Neto. Tecnologia do Blogger.
 
Filhos de Yhwh © 2012 | Designed by Nelson Neto