AS PROVAS DECISIVAS DE QUE UM DILÚVIO GLOBAL ACONTECEU - PARTE 3


Em busca da Arca de Noé 
arcadenoe 
Ron e David Fasold chegaram na Turquia em 20 de março de 1985; esperando por eles estava um príncipe Saudita chamado Samran Al Moteri, e que já visitara Ron anteriormente em Madison, Tennessee; ele tinha ouvido falar que o Mt.
Sinai tinha sido encontrado na região de Acaba na Arábia Saudita em 1984, e queria que Ron lhe mostrasse a montanha, e para confirmar a confiabilidade de Ron ele quis ver a "Arca de Noé", então após isso ele conseguiria vistos para Ron e David entrarem no país dele; mas como príncipe estava muito doente eles não puderam ir imediatamente para Dogubeyazit.
Enquanto eles esperavam em Ancara, Mine Unler, um das ligações de Ron com o governo turco, organizou uma reunião com o famoso arqueólogo Dr. Ekrem Arkugal; que em outubro de 1984, os Turcos tinham enviado, junto com seus próprios arqueólogos, para investigarem o barco moldado, época em que Ron lhes emprestou um dos detectores de metal.

A expedição turca conseguiu resultados muito positivos, eles observaram o mesmo padrão de leituras de metal obtidos por Ron, como mostrava as notas de campo deles; e recuperaram vários objetos de metal, alguns ainda intactos, foi dito a Ron que esses objetos foram levados para o Museu de Minas e Minerais de Ancara.

O Dr. Arkugal, Um ateu professo, declarou a Ron numa conversa que o objeto era um navio, repetiria essa conversa depois numa entrevista, afirmando que realmente era a Arca de Noé. Quando um repórter perguntou a ele: "Por quê?"; ele simplesmente respondeu, "Porque não há nenhuma outra explicação".

Quando o Dr. Arkugal apresentou uma cópia do seu livro; "Ruínas Antigas da Turquia", onde ele escreveu, " Para o Sr. Ron Wyatt, Parabéns pelas descobertas"; Ron pensou, as coisas estão incrivelmente boas, encontraram um bom caminho ao longo dos últimos sete meses, graças ao apoio de Jim Irwin.

Finalmente, eles voaram a Erzurum onde contrataram um táxi para os levar a Dogubeyazit. Dilaver Avci um amigo de confiança se juntou a Ron e David. Quando eles chegaram ao local da arca, a excitação de David e Samran era evidente.

David tinha trazido um detector de metal com indução pulsada, como também um gerador de freqüência molecular (MFG), o qual demonstrava leituras de metal a grandes distâncias. Os detectores de metal convencionais só eram efetivos num raio de poucos centímetros.

Então Ron os levou para ver a âncora de pedra e a aldeia. David não pôde conter a emoção, enquanto Ron era um crente na arca da Bíblia, ele acreditava na arca da epopéia de Gilgamesh, e verificou a familiaridade das conexões babilônicas evidente em algumas das pedras; um exemplo era o ziggurat esculpido em uma das pedras.


Todos estavam contentes, até que Ron os levou para ver as lápides que ele acreditava ser de Noé e de sua esposa. Quando eles chegaram, a casa agora estava reduzida a uma pilha de pedras soltas, as lápides tinham sumido, em seu lugar um buraco; o sepulcro lamentavelmente tinha sido roubado.

Finalmente, eles partiram. Samran convenceu-se da importância do trabalho que Ron havia feito, o príncipe gravou um vídeo sobre a arca; e convidou os três a voarem imediatamente para a Arábia Saudita. As coisas estavam luminosas em relação a Arca de Noé, agora ele conseguiria realizar o mesmo em relação ao verdadeiro Mt. Sinai (veja Evidências do Êxodo).
Quando eles voltaram da Arábia Saudita para a Turquia, David estava ansioso para adquirir uma casa assim que pudesse. Ron ficou em Ancara quatro dias, para apresentar o caso da Arca de Noé, em reuniões organizadas por Mina, com todos os ministérios turcos. A resposta dos ministros foi muito positiva, Ron estava seguro que eles cooperariam muito com ele.

David queria trazer o radar de interface sub superficial para esquadrinhar o local; esse sistema de radar revelaria qualquer estrutura sob a superfície. Esse radar pode ser afinado com inúmeras freqüências, refletindo várias profundidades; então, esquadrinhando a mesma área numerosas vezes usando freqüências diferentes, um quadro tridimensional pode ser construído. Porém, alugar esse equipamento com operador é muito caro, e a idéia de comprar um sistema estava fora de cogitação. Mas, teria que ser o próximo passo, o equipamento eletrônico era tão vital à pesquisa...

Um pouco menos que um mês depois, Ron voltou a Ancara para mais reuniões e obter licenças aos detectores de metal, mesmo com a licença emitida em Ancara, tiveram que ir para Agri a capital da região oriental onde foi processada uma ratificação. Ancara é a cabeça do governo, mas os governos regionais gostam de pensar que, de fato, são a palavra final.
Ancara é muito longe de Agri e Dogubeyazit; se qualquer problema surge com uma licença em Agri, significa muitos dias de espera e caras e viagens para Ancara, sem garantia do problema ser resolvido. Assim Ron perdeu muito tempo com isso.

Nesse tempo, Ron recebeu uma chamada, de um dos cientistas de Los Alamos. Jim Irwin tinha enviado as amostras da Arca que Ron lhe deu, para análise em Los Alamos, e o cientista que fez o teste tinha algumas perguntas para Ron.

Ele queria saber de onde a amostra foi retirada, e Ron o convidou a vir e ver pessoalmente. Para sua surpresa, John Baumgardner, um geofísico de Los Alamos, aceitou o convite, e em junho de 1985, John, David e Ron entraram no local da arca. Usando três tipos de detectores de metal, eles fizeram uma marcação do local. A cada leitura de metal, eles colocaram uma pedra, e então conectaram cada pedra com fitas plásticas.


A forma de um navio poderia ser vista no padrão das tiras. John Baumgardner, cético no princípio, logo começou a mostrar uma grande confiança, afinal de contas, foi a análise de metal do espécime que Jim Irwin tinha lhe enviado que chamou sua atenção.

O cientista de Los Alamos contou que anteriormente suspeitara que talvez um satélite houvesse caiu na região, e que Ron, ignorante destes assuntos, confundiu isto com a Arca de Noé.

John foi um grande avanço ao time convencendo-se da arca; pelo menos é o que Ron e David pensaram; ele tinha apoio financeiro e credenciais impressionantes. Quando a viagem terminou, os três concordaram por completo que esta era a Arca de Noé, e que era imperativo usar o radar.

A próxima viagem Seria em agosto de 1985, na época anual da peregrinação dos caçadores da arca ao Mt. Ararat. Um advogado da Califórnia, amigo de John, concordou em financiar a expedição.

David conseguiu que Tom Fenner da GSSI, fabricante do equipamento de radar, viesse com o sistema; Jim Burroughs da rede de tv ABC também foi para cobrir o evento. O financeiro de John veio com equipe própria de filmagem, como também dois outros cientistas de Los Alamos.

Ron adquiriu as licenças, e tudo parecia que ia bem, era evidente a satisfação de John quando fundaram o projeto, em ser um "sócio do time". Mas, na realidade Ron e David não tiveram nenhum apoio financeiro, pagaram tudo do próprio bolso, e tudo estava ficando muito caro, especialmente para David que ainda tinha crianças em casa.

Ron, John e os cientistas de Los Alamos chegaram primeiro, eles mediram o local com dispositivos de agrimensura sofisticados e chegaram a 515 pés e 7 polegadas de comprimento, novamente, 300 cúbitos egípcios. Tudo foi filmado pela equipe de John e Ron conseguiu adquirir alguns vídeos.


Com toda a publicidade sobre a região e o grande ajuntamento de "Caçadores da Arca" no local, terroristas aproveitaram esta oportunidade para agir, atacaram o povo da região do Mt. Ararat, e foram ao local do barco moldado; contudo, comandos Turcos estacionados próximo ao local dizimaram alguns deles e obrigaram o resto a fugir.

Então, foi declarada lei marcial e o local de exploração fechado; todos partiram sem concluir o trabalho; até aquele momento tudo havia sido documentado de uma maneira positiva; assim, uma nação inteira teve a oportunidade de ver o que estava acontecendo na "montanha do Dia do juízo universal".

Em agosto de 1984, Ron e Orhan ficaram sabendo dos aldeãos uma coisa interessante; a montanha era chamada localmente de "Montanha do Dia do juízo universal"; novamente, uma evidência circunstancial do local.

Não havia muita coisa a fazer sem o caríssimo sistema de radar, como não tinham fundos para comprar ou locar esse equipamento, Rom pediu a seu sobrinho expert em eletrônica, para construir uma versão simplificada de um sistema equivalente. Gary Rucker, sabendo o princípio de funcionamento do aparelho, conseguiu produzir um protótipo funcional de baixo custo.

Em 23 de Outubro, menos de dois meses depois, Ron voltou à Turquia com este "radar". Essa viagem não foi desperdiçada; numa passagem rápida pelo local, com o scanner amador, Ron obteve resultados impressionantes; isto o incentivou a fazer maiores esforços para conseguir um sistema profissional, afinal ele sabia que os resultados do radar caseiro seriam ridicularizados
Em busca da Arca de Noé - Capítulo - 6

A próxima série de eventos não é o tipo de coisas podemos explicar cientificamente, é um das razões de Ron receber tantas críticas nos meios acadêmicos; ele acreditava em oração.
Ele orou por ajuda, e então foi falar com um homem de negócios, conhecido por ajudar financeiramente projetos que sentia ser merecedor. Explicando sobre o radar, o financista concordou em comprar um sistema, cedendo seu uso a Ron.

O equipamento foi transportado para a casa de Ron em Madison, Tennessee, que o levou imediatamente para o aeroporto afim de atender as normas alfandegárias exigidas por lei, colocou seu nome na caixa do equipamento e deixou-o lá. Era muito cedo para usa-lo aquele ano, mas Ron queria estar pronto para ir o mais cedo possível...

Agora, mês de agosto, os jornais turcos estavam cheios de histórias sensacionalistas sobre a arca. A maioria eram história totalmente fictícias sobre Jim Irwin e Ron. Jim era tido com um herói na Turquia, era sempre alvo nas notícias, principalmente quando lá estava, sendo objeto para qualquer tipo de história para atrair leitores. Considerando que Ron encabeçava o time que acreditava que a arca não estava no Mt. Ararat, ele era tido como antagonista.

Nas primeiras páginas estavam fotografias de Ron e Jim, com legendas atribuindo coisas terríveis de um para o outro. Aproveitado esta oportunidade para tentar desacreditar Ron novamente, um "caçador da arca chamado Sr "T" enviou uma cópia traduzida desses jornais turcos ao homem de negócios que comprou o radar, convencendo-o que Ron não era de confiança.

Ron recebeu uma carta do dono do radar declarando que não cederia mais o equipamento; isso era um tremendo golpe para Ron, mas ele estava se acostumando a todo tipo de contratempo. Era como se houvesse uma luta invisível; às vezes Ron ganhava, às vezes o lado escuro amealhava alguns pontos.

Depois disto, ele chamou David e lhe perguntou se queria ir para a Turquia novamente; e David concordou imediatamente. Assim, em 21 de junho, eles chegaram na Turquia, mas o único scanner radar que Ron tinha era o que Gary tinha construído.

Durante a noite indo para o Hotel, eles descobriram que estava cheio, e não havia mais vagas; finalmente acharam uma pessoa que tinha um quarto livre onde puderam pernoitar.

Logo mais, um dos homens do hotel veio até a casa onde Ron estava alojado, para lhe falar sobre uma bagagem com o nome dele que estava no hotel; sabendo não haver nenhuma mala sua lá, ele foi ver do que se tratava. Quando chegou no quarto de bagagem, lá estava o radar SIR-3, com o nome dele na caixa.

Foi um daqueles momentos que dá vontade de gritar para o mundo, contatando o dono do radar, ele explicou o encontro do radar abandonado no hotel, lhe perguntou se ele poderia usa-lo; a resposta foi afirmativa.

O "Sr. T" havia convencido o dono do equipamento a deixar traze-lo para a Turquia, objetivando usá-lo na arca; mas aparentemente algo aconteceu, e ele simplesmente o abandonou no hotel.

O que realmente aconteceu era que ele não tinha passado pela Alfândega antes de deixar o EUA, e o radar foi considerado por funcionários turcos como sendo uma "importação ilegal". Isto significava que para levar de volta, uma quantia muito grande de dinheiro teria que ser pagada.

Ron e David ansiosos com a possibilidade que obtiveram, decidiram ir diretamente ao local e fazer o esquadrinhamento sem obter a licença de Agri, pois demoraria muito. Estavam se arriscando, mas eles consideraram não tinham mais tempo a desperdiçar. Finalmente, o RADAR;

Ron não tinha recebido treinamento para usar o sistema, mas o David sabia como usá-lo, e assim eles fizeram várias passagens como ele; os resultados eram tão espetaculares que eles chamaram John Baumgardner e Bill Shea para testemunhar o evento. Foi decidido que eles viriam se Ron pudesse adquirir as licenças. Então ele foi para Ancara, adquiriu as licenças, e logo, o grupo John também estava a caminho. Bill Shea chegaria lá assim que ele pudesse.

John chegou e trouxe um balão de ar quente, eles planejaram usá-lo para obter um filme do local; então, um desastre aconteceu; quando o balão estava sendo inflado no estacionamento do hotel pelo grupo de John, o mesmo incendiou-se, o fogo causou tal comoção que eles foram impedidos de continuar.

Quando Dr. Shea chegou, o local estava foi fechado e ele nunca mais chegou perto o bastante para ver novamente o objeto de muitos anos de estudo e esforços. Ron levou o Dr. Shea para ver a âncora de pedra e outros objetos de interesse próximos a aldeia, mas isso era tudo que eles conseguiram ver. Ron foi a Agri para tentar contornar a situação, essa era a última vez que ele, David e John trabalharam juntos.

Retornando para casa, Ron entregou o radar à companhia do homem de negócios, onde foi emitido um recibo. Seu nome e a sua companhia são confidenciais (ele pediu sigilo), por isso nós omitimos os nomes (inclusive do "Sr T").

Uma carta que Dr. Shea escreveu a Ron em 11 de agosto de 1986, logo após eles voltarem para casa, relativo ao " Sr. T " que caluniou Ron ao homem de negócios; nela o Dr. Shea relata a conversa dele com o "Sr. T", que o chamou após ouvir falar que ele esteve na montanha; estava tentando descobrir o que aconteceu ao radar.

O Dr. Shea falou simplesmente que a última vez que o viu estava num táxi em Ancara, e que não soube o que aconteceu depois disso (o que é verdade) não mencionou que Ron o levou e que eu tinha escrito um artigo sobre isto.

"T" lhe disse que para retira-lo da Turquia teria que pagar para o governo local 8,000 U.S, então ele simplesmente o deixou no hotel. Ele também torceu a história do trabalho de Ron na Arábia Saudita; disse ser uma combinação com os israelenses de entrar na Arábia Saudita para fotografar os locais de lançamento de mísseis deles.

A declaração para Dr. Shea que Ron era espião israelense, confirmou sem sombra de dúvida que foi "T" que informou aos o Sauditas da presença de Ron na área, o que custou a ele e seus filhos, 3 meses presos na Arábia.

Mas, para Ron sair da Turquia com o equipamento não houve nenhum problema, já que no dia que ele recebeu o radar em sua casa, ele retirou toda a documentação necessária na alfândega.

Havia muito tensão neste momento em todo o mundo, Ron estava pronto para deixar o assunto da arca; ele levou o vídeo feito do uso do radar a José Rosetta, vice-presidente de GSSI, e Tom Fenner, o técnico que tinha ido a Turquia em agosto de 1985; isto resultou num documentário no Canal 9 de Hudson, no qual o Sr. Rosetta declarou que a arca moldada não era um objeto natural.

Nesse filme, de 3 de agosto de 1986, cujo título é "Arqueólogo Achou a Arca"; Ron segura o radar e prova veracidade da arca, o apresentador expõe que nunca uma coisa assim foi vista em geologia natural. Algum humano fez esta estrutura, foi o veredicto da GSSI; Ron esteve brilhante, absolutamente soberbo, depois de muita investigação a conclusão, a estrutura era artificial.

Durante vários anos, Ron foi um empregado de tempo integral num hospital. O único modo de acomodar as viagens com o trabalho como um anestesista foi trabalhar por períodos escalonados no qual pudesse ausentar-se periodicamente. Este método provou ser uma situação perfeita, ele trabalhava até que tivesse capital para fazer uma viagem, e então partia.
Ele obtinha empréstimos de amigos, em ocasiões que ele sentia ser importante agir depressa, às vezes alguém ofereceria donativos à causa, embora isto era muito raro. Quando ele voltou à Turquia em novembro de 1986, foi informado que os Turcos em dezembro de 1986 fariam uma reunião na qual uma decisão seria tomada, se o local era oficialmente a Arca de Noé ou não.

Todos que tinham trabalhado no local levaram seus próprios operadores cinematográficos, mas o Ron nunca teve nenhum; os filmes que produziam nunca eram vistos até mesmo por Ron, a menos que aparecesse na televisão ou num documentário.

Ele começou a sondar as possibilidades de organizar um filme, sabia que ia precisar de muita ajuda financeira, não para filmar Ron Wyatt, mas documentar a evidência que acreditava que iria surpreender o mundo.
Em busca da Arca de Noé - Capítulo 7

Em dezembro 1986 a decisão oficial do Ministério de relações exteriores e o de Negócios Internos conjuntamente com a Universidade de Ataturk entre outros foi que a "formação do barco moldado" continha realmente os restos da Arca de Noé!

Uma reunião entre Ron e o Governador do Distrito de Agri, Sr. Sevket Ekinci, foi organizada em fevereiro de 1987 para discutir os planos para a declaração oficial do local, e que incluiria Ron como convidado de honra.

Havia passado mais de 10 anos desde a primeira viagem e 27 anos desde que Ron leu o primeiro artigo na Revista VIDA; ele estava sendo honrado, não como o descobridor do local, mas como o "descobridor" dos verdadeiros restos da Arca de Noé.

Ron tinha feito 1 viagem em 1977, um em 1979, duas em 1984, seis em 1985, três em 1986 e em 1987 cinco viagens. O local parecia quase como sua casa. Contudo, o mais importante era ele tinha finalmente realizado o seu objetivo, com a ajuda inestimável de Dave Fasold, entre outros.

Outras coisa Ron ainda fez, como um ferreiro golpeando enquanto o ferro está quente, ele retornou em abril e novamente em maio, para examinar completamente o local.

Com o auxilio de assistentes turcos e com equipamento apropriado Ron examinou o local, cobrindo toda a área e registrando a estrutura em várias profundidades. Desta maneira, pode ver o que estava nas camadas inferiores formando uma imagem em 3D.

O quadro era de um navio enorme com câmaras evidentes; um sistema de rampas que conduzia a cada nível; madeiras longas e volumosas que se estendem aos lados e para trás do navio.

Ele descobriu que a armação tinha uma grande falha abaixo do seu centro com o tamanho aproximado da estranha seção de solo num local na encosta da montanha acima do barco, que ele tinha achado juntamente com Orhan Baser em 1984.

David tinha feito esta constatação em 1985 com o MFG sob o ataque constante dos críticos, eles afirmavam que o MFG era como uma "varinha de condão", agora o radar confirmava o MFG, a descoberta de David da falha na armação provou ser confiável.

Quando o Ron e Orhan acharam a estranha seção de solo com bordos de madeira petrificada, perceberam que ela continha uma grande quantidade de material estranho difundido, Ron suspeitou que isso era algo significante.

Quando a análise de laboratório da amostra deste local encontrou restos de metais, Ron teorizou que esta seção de solo petrificado era uma porção da armação da arca.

Ele acreditava que a arca tinha aterrissado originalmente numa localização mais alta e quando a água secou, a armação ficou embutida na lama; então deduziu que, o vulcão na borda Iraniana sul lançou no lado da montanha uma volumosa quantidade de lava que alcançou a arca, então rasgou da porção embutida a armação e a levou para baixo; esta teoria foi confirmada quando o exame com o radar mostrou a falha ao longo da porção inferior do barco.




Em 1985, Ron tinha levado David e John ao local para lhes mostrar a seção, mas a imensa quantidade de aldeãos que os acompanhavam mudou seu intento; ele estava paranóico com a exibição de qualquer coisa de interesse, por temer que os aldeãos a destruíssem como tinha acontecido às lápides e o sepulcro. Sem esta informação David concluiu que a falha na armação era uma "piscina" interna, uma conclusão lógica sem todos os fatos.

Foi um fluxo constante de circunstâncias surpreendentes que acompanharam o trabalho de Ron; afinal de contas, foi a amostra da localização acima do barco que Jim Irwin enviou a Los Alamos que resultou no envolvimento de John Baumgardner. O espécime exibia evidências de ser escória ou produto descartado na produção de metais.

A declaração oficial da "Arca de Noé" foi fixada para 20 de junho de 1987. Em março, Ron assinou um acordo com um produtor local fazer um documentário sobre a arca e suas pesquisas. Foram feitos arranjos antecipados, mas para estar seguro, Ron levou a própria máquina de vídeo e Dilaver como cinegrafista para filmar os eventos que ele não poderia filmar pessoalmente.

Ron acreditava que Deus preservou os restos da arca por um motivo, e que certamente esse propósito era muito superior ao seu pouco conhecimento. Com os constantes ataques recebido dos críticos ele sabia que o local precisava de documentação farta e cuidadosa. Então eles chegaram vários dias antes da cerimônia e filmaram muito da região, inclusive a "Aldeia" e as pedras de âncora.

Finalmente chegou o dia da declaração, lá no lado da montanha junto a "arca oficial" estava um grande número de dignitários reunidos a um exército de jornalistas. Planos foram feitos para visitação do público; um centro para esse fim deveria ser erguido naquele mesmo lugar onde eles estavam.

O governador colocou o primeiro tijolo desse novo centro; Ekinci tendo Mine Unler Como tradutor pediu para Ron fazer um demonstração das estruturas sob a terra, usando o radar.

O Governador Ekinci emitiu instruções ao americano, alguns jornalistas, o operador cinematográfico turco, alguns militares, e outros dignitários, testemunharam os eventos. Montando o radar, Ron fez várias passagens, explicando o procedimento passo a passo ao grupo, notou uma leitura particular muito perto da superfície.

O Governador, então, deu ordem a um dos soldados para cavar na localização indicada; logo surgiu o que parecia uma pedra plana, as dimensões aproximadamente de 18 polegadas, sendo então removida e limpa.

Tudo filmado, era óbvio tratar-se de uma seção petrificada de madeira talhada a mão! Todos ficaram atônitos, mais ainda ficou Ron. Durante 10 anos, ele queria escavar mas nunca tinha obtido permissão de recolher qualquer coisa que não estivesse na superfície. O sonho dele tinha se tornado realidade! Não só uma simples seção de madeira, foi preservada perfeitamente e mostrava detalhes e simetria perfeita.


O Governador fez algo que só poderia ser dirigido pela Mão Divina; disse para Ron levar a peça aos Estados Unidos para testes. Todo o evento foi mostrado na Turquia pela TRT (Rádio e Televisão Turca); Foi um dia inesquecível.

Novamente, menos de um mês depois da última viagem, Ron retornou, ele tinha bastante dados do detector e do radar para começar a construção de um modelo da Arca. A cobertura em duas águas não poderia ser reconstruída, com certeza ela tinha desmoronado e não podia ser determinado seu formato. Pelos restos, era possível determinar onde elas começavam (não cobriam todo o navio) localizava-se no ponto mais largo da armação.

Paredes interiores foram vistas nos exames, mas só até certo ponto; a porção do lado oriental que estava mais destruída assumia um pouco de simetria e às vezes seções idênticas às da porção ocidental que estava intacta. Porém, a coberta do fundo foi melhor preservada, um imenso sistema de câmaras pequenas poderia ser determinado. Havia uma seção dupla ao longo da qual estendia-se longitudinalmente, com outras câmaras ao longo das paredes com um corredor separando-as.

Mesmo com todas evidências os "caçadores da arca" tradicionais, não aceitavam tratar-se de um barco; detalhes significativos apontados eram negligenciado, o radar indicava que por baixo era arredondado. A evidência falava por si mesma; o que mais poderia ser?

Em 16 de setembro de 1987, Ron levou a seção de madeira petrificada encontrada a 20 de junho, para os Labs. Galbraith em Knoxville, TN; um laboratório soberbo e muito diligente em todas as suas análises. Em vídeo foi documentado todo a execução das análises, incluído a tomada da amostra. Agora, muitos conheciam a história da Arca de Noé.

Era importante determinar se o espécime continha carbono orgânico; uma pedra normal não tem, mas a madeira petrificada sim. Gail Hutchens, vice-presidente de Galbraith, determinou a análise do conteúdo de carbono total, isto incluiria carbono inorgânico e orgânico; testaram a quantidade de inorgânico que é um teste mais simples; então, compararam os dois testes, subtraindo a quantia de inorgânico da quantia total, determinaram a quantia de carbono orgânico (um teste direto para carbono orgânico é extremamente caro e complicado).

O resultado foi de 0.71% de carbono total; o carbono inorgânico somou 0.0081%; continha 0.7019% CARBONO ORGÂNICO; quase 100 vezes mais orgânico que inorgânico! Passou no teste; mais uma fase vencida.

As evidências estavam lá. Estavam além das simples coincidências, todo detalhe era consistente com os restos de um navio que poderia ser a Arca de Noé. Mas o mundo estava a ponto de aceitar isto?

Os caçadores de arca tradicionais continuaram procurando no Mt. Ararat embora os cientistas e arqueólogos tivessem determinado que era um navio nas montanhas de Ararat; um navio antiqüíssimo, e que poderia ser a arca de Noé.


O motivo do descrédito de muitos pesquisadores era o fato de ser um fenômeno "único"; nenhum outro objeto comparável alguma vez existiu. Um navio de madeira 4.300 anos simplesmente não poderia sobreviver sem meios de preservação, como a lava que o cobriu tantos anos atrás. Esta lava efetivamente escondeu do mundo talvez por vários milhares de anos; não houve nenhum conhecimento de sua localização durante este tempo todo.

Alguns nomes das localizações na região ainda retinham conexão com a arca, a Montanha do " Dia do juízo universal", entre outros. Os habitantes locais admitiram, quando questionados por Orhan Baser em 1984, que eles não tinham nenhuma idéia de onde estes nomes vieram. Na década de 1900, houve na região uma guerra sangrenta e devastadora (o museu em Erzurum tem um piso inteiro dedicado a ela); os habitantes locais foram atacados e removidos da área, sendo substituídos por outras pessoas. Os novos moradores assumiram as aldeias, as casas e os campos. Todo o conhecimento que os habitantes originais pudessem ter da história e lendas da região talvez foram perdidos quando isto aconteceu.

Se a arca tivesse aterrissado no Mt. Ararat, teria sido impossível para dos animais ter caminhado montanha abaixo, e a arca seguramente teria sido destruída na passagem do tempo pelas numerosas explosões do vulcão, extremamente ativo ao longo de história.

O lugar lógico para procurar estaria nas montanhas da região do período cretáceo; montanhas que não eram vulcânicas e dentro de uma altitude mínima que cobriria toda a região com água, atingindo tudo que estivesse na superfície.

Quando Ron estava investigando o local com o radar, ele notou as linhas "internas" convergiram a uma conclusão, consistente com as madeiras de um navio. Mas seguramente isto poderia ser um "truque geológico" muito raro, e que ele não estivesse familiarizado, então ele levou o radar fora do perímetro do objeto e executou exames ao longo de cada lado.

Ele não achou nada diferente de pedras soltas e fortuitas na terra. Anteriormente, em 1985, quando David, John e Ron fizeram uso do detector, eles conferiram o terreno adjacente, também com leituras semelhantes.

Na entrevista ao vivo que John Baumgardner fez atrás da rede CBN em agosto de 1985, ele confirmou quando perguntado se a formação era única: " Nós sentimos que a formação é impar, sem igual". Há várias formações que têm na superfície forma semelhante e nós investigamos alguns delas; contudo elas não têm as características especiais que nós achamos no local em enfoque".

Muitos não querem admitir que a arca existiu, que a Bíblia é verdadeira. Recentemente, uma equipe de filmagem australiana visitou o local, com o detector de metal examinaram tudo, e nem fizeram um filme sobre isto.

Uma testemunha ocular do evento disse que eles só filmaram o que supunham que serviria desacreditar o local. É possível torcer e omitir verdades de certo modo a parecer convincente. Muitas pessoas ainda proclamam que os homens nunca caminharam na lua.

E isto nos traz a outra fase na vida de Ron. Em abril de 1988, o vendedor na firma de corretagem onde eu trabalhei me falou ter conhecido o homem que tinha descoberto a Arca de Noé. Eu tinha recentemente renovado minha fé na Bíblia e me tornado uma crente dedicada. Mesmo assim, eu recebi a declaração com reservas, eu tinha vivido em Nashville desde 1977, mas não recordei ter ouvido falar deste homem. Mas ele insistiu que era verdade, então eu pedi a Buford para ver se esse homem tinha um livro ou qualquer outra coisa.

Em alguns semanas, Ron veio a meu escritório através de Buford para relatar uma breve história, alguns colegas de trabalho que estavam interessados em ouvir sobre a Arca de Noé; ele passou um par de horas nos falando sobre a arca e algumas das outras descobertas suas, mas a coisa que salientava em minha mente era que eu nunca tinha ouvido alguém falar tão abertamente sobre o Cristo e o "Senhor" como ele fez. De qualquer maneira, um par de fotografias me convenceram ele estava contando a verdade.

Depois que ele partiu, eu decidi que passaria minha férias de verão visitante a Arca de Noé. Assim eu chamei os agentes de viagens, a reação deles foi igual a minha quando Buford me falou que conhecia o homem que achou a Arca de Noé. Assim, aproximadamente em uma semana eu pedia a Buford checar com o "Sr. Wyatt" o itinerário para a arca. Buford começou a escrever nomes estrangeiros estranhos de cidades, e finalmente telefonei a Ron.

Ron ficou surpreso que uma mulher quisesse ir lá sozinha, ele falou da imensa dificuldade para chegar lá. Fiquei arrasada, eu tinha uma filmadora e planejava gravar a arca para usar como prova da validez da Bíblia.

Mas, ele disse que eu poderia ir com a próxima expedição no mês seguinte. Fiquei emocionada, fiz os arranjos depressa. Nunca suspeitei como minha vida estava a ponto de mudar.

O Dr. Nathan Meyer nos acompanhou, quando nós chegamos à arca, Hasan Ozer, o aldeão de Uzengili, nos conheceu no ônibus e nos mostrou o novo centro de visitas ainda em obras.
A arca é inacreditavelmente empolgante, nós caminhamos até ela identificamos onde as madeiras do costado estavam se deteriorando deixando cavas, eram extremamente visíveis. Ron caminhou o local inteiro conosco e explicou as características, nos mostrando o resto da cobertura, onde tinham se desmoronado.

Ele mostrou as madeiras de apoio que estavam sobressaindo da terra; madeiras que tinham sustentado as cobertas como os postes num porão de uma casa; mostrou onde em 1960 vários buracos foram feitos à dinamite, e da qual ele tinha obtido numerosos espécimes de madeira petrificada.

Ele queria levar o Dr. Meyer para cima na montanha para ver a Estela quebrada com o pictograma da arca com 8 faces, os corvos, etc. Nesse momento chegou uma tropa de soldados, com os rifles apontados em nossa direção. Percebi o perigoso local onde estávamos.

De qualquer maneira, Dilaver, amigo de longa data de Ron, acalmou a situação; nós fomos conduzidos a um edifício militar; os soldados mostraram um colar de macramé que tinham feito com balas usadas no combate aos rebeldes curdos.

Chovia, nós estávamos fitando a montanha. A arca estava mais abaixo, escondida pelas colinas, ao longe podíamos ver a estrutura que tinha incorporado os pedaços da Estela quebrada.

Não nos permitiram chegar mais perto; eu mencionei ao Dr. Meyer que nós estávamos onde o primeiro arco-íris da história foi visto, será que veríamos um agora? Afinal de contas, estava chovendo.

Nathan fez uma bela oração (eu não me lembro das palavras exatas). Dentro de 5 minutos, apareceu no céu um arco-íris que parecia começar na Estela estendendo-se pelo céu e terminando aproximadamente onde a arca estava. Eu não posso expressar o sentimento desse momento, raramente contei para outras pessoas sobre isto. Talvez fosse uma coincidência, mas nunca me convenci de que esse era o caso. Guardamos as fotografias deste arco-íris.

Três viajantes da Austrália que nós tínhamos encontrado anteriormente no Cairo se uniram a nós no dia seguinte.

Antes da viagem, o "Ararat Report" publicou um artigo de um "especialista" armênio, (que reivindicava que as pedras de âncora foram feitas pelos armênios como objetos pagãos), dizendo que os armênios ao se converterem ao Cristianismo apagaram as inscrições originais e as substituíram com cruzes Cristãs.

Ron sabia sobre um procedimento que os Egiptólogos usam para determinar se inscrições antigas foram removidas de monumentos e outras gravadas por cima. Essa técnica consiste em pintar a superfície com um líquido transparente que só fica visível em luz ultravioleta. Depois de um de tempo, este líquido vaza nas rachaduras minúsculas e pode ser visto com a luz ultravioleta.

Meu cunhado trabalha em pesquisa e desenvolvimento na Kodak em Rochester, NY assim eu o contatei, expliquei o que queríamos fazer. Ele me enviou informações sobre o procedimento. Nós encontramos o líquido necessário e uma luz ultravioleta portátil.

Pintamos as cruzes na pedra de âncora que está na aldeia durante o dia, como também um par de outros objetos com cruzes, voltamos à noite com a luz própria, não tivemos qualquer evidência de inscrições mais antigas, os aldeãos ficaram fascinados com a coisa toda.

Ron nos falou sobre o material de lastro atrás da arca, e descreveu o seu formato; Nathan apareceu com uma pedra "muito grande" e perguntou a Ron se era sobre isso que ele estava falando; os olhos de Ron quase saltaram. Sim! E era uma beleza! Era o melhor espécime que Ron tinha visto da escória.
Foi uma viagem maravilhosa, eu pude ver como Ron tinha se tornado o que alguns chamariam "obcecado" com a arca. Incidentemente, nos casamos algumas semanas depois que retornamos, em 5 de julho de 1988. Meu contentamento logo seria abalado, sofri uma frustração ao perceber até que ponto a perseguição pessoal iria.

Ron já estava acostumado com isso, mas eu nunca havia experimentado uma coisa assim. De fato, nem nos meus mais selvagens sonhos as pessoas que passam pelo nome de Cristãos poderiam ser tão malignas. Era de meu marido que estas pessoas diziam coisas terríveis, logo entendi; não puderam desacreditar a arca, estavam tentando desacreditar o homem.
Em busca da Arca de Noé - Capítulo 8

Ron continuaria viajando para a Turquia duas a três vezes por ano, às vezes acompanhado por mim. Nessa época não havia muito a fazer sem uma escavação. Numa vez em que não pude ir porque já tinha usado minha férias e não poderia deixar o trabalho, Ron levou Dilaver e Hasan Ozer para fazer um documentário de vídeo; junto com foi Mark Yates, um dos australianos que tínhamos encontrado anteriormente e que tinha concordado em trabalhar na pesquisa da arca.

Hasan Ozer fez uma descoberta extremamente importante, encontrou uma pedra de âncora que havia ficado enterrada talvez desde o tempo da inundação, e que ficara exposta devido a erosão.

Nesta pedra não havia nenhuma cruz! Ron e o Dr. Shea supunham que as cruzes nas pedras anteriormente descobertas eram bizantinas, com estilo dos Cruzado, e como a maioria delas tinham oito cruzes, os antigos cristãos tinham conectado estas pedras de alguma maneira com os oito sobreviventes da inundação.

A âncora recentemente exposta pôs fim à teoria de um culto pagão armênio; afinal de contas não se pude esculpir cruzes em uma pedra enterrada, ou apagar sinais anteriores.

Anteriormente, no ano de 1987, Ron junto com os Turcos preparou um plano de escavação, havia tambem um projeto de construir hotéis na região; algumas pessoas em Memphis, Tennessee; financiariam esses projetos, tudo parecia ir muito bem.

Os desenhos arquitetônicos para uma coberta dos restos estavam prontos, parece que nada poderia deter o andamento das coisas, entretanto um revés financeiro parou tudo; com a falta de financiamento, escavar parecia uma impossibilidade.

Em 1990, fomos contatados por um Australiano que se interessou pela pesquisa depois de ler o livro "A Arca de Noé" de David Fasold, estava ansioso para visitar o local e investigar, nós lhe enviamos um pacote de material que documentava a pesquisa de Ron e que o deixou convencido que a arca precisava ser escavada.

Quando tivemos notícias dele, estava formando uma organização cujo propósito era obter os capitais para escavar; Ele perguntou a Ron se ele gostaria de participar da viagem, não como sócio, mas baseado na pesquisa que Ron tinha feito queria incluí-lo como convidado junto com David.

Mas, com a impossibilidade de escavar, Ron concebeu uma idéia que lhe mostraria a estrutura interna visualmente, ou pelo menos um pouco disto sem danificar a estrutura.

E em Oct. 1990, com o novo amigo, Richard Rives, ele retornou ao local para implementar seu plano. Compraram algumas pás endireitaram suas lâminas para formar um aparelho para barbear gigante. Então, começaram a raspar suavemente o lado de uma seção de madeira petrificada exposta.

Sendo muito cuidadosos, para remover somente um pouco da sujeira; assim, eles puderam verificar a cores e diferenciar as madeiras mais claras contrastando com a terra mais escura.
Foi uma visão muito convincente, o processo inteiro foi gravado em vídeo de forma a ninguém o acusar de fraude. As madeiras agora estavam bem visíveis contrastando com a terra circunvizinha.

Em 1991, levando a pesquisa a sério, o Dr. Roberts veio a nossa casa para se juntar ao nosso grupo de excursão; em 12 de junho chegamos na Turquia. No local, Ron aproximou-se de uma "pedra" com a forma de uma cabeça de rebite, em anos anteriores ele tinha fotografado no lado da arca o que parecia ser um agrupamentos de metal, mas ele não os limpou para examinar. Agora, ele sentia que realmente era metal; saberia com certeza apos manda-lo para analise.

Richard Rives conhecia algumas pessoas que trabalharam numa corporação internacional com seu próprio laboratório de metalurgia. Esta companhia especializa em titânio se ofereceu para fazer as análises, e nos permitiram gravar em vídeo.

Análises cuidadosas no espécime revelaram a presença de uma mistura muito estranha de elementos que incluíam ferro, alumínio, titânio e vanádio, entre outros. O químico achou merecedor anotar em seu relatório que: ao redor da cabeça do rebite, uma amostra de 1 cm da área presumivelmente é de madeira petrificada, por conter muito carbono, mais de 1,9% do que a área presumivelmente de metal.

Análises precisas mostraram na primeira localização entre 1.88% a 1,97% de carbono enquanto segunda localização havia entre 0,14% a 0,13% dessa quantia. E isto era certamente importante!

O Dr. Roberts conheceu num vôo aéreo um cavalheiro de uma grande corporação britânica, conhecida em financiar novos projetos. Este cavalheiro, se interessou pela Arca de Noé; com isso, ele obteve um compromisso da firma britânica em financiar uma escavação, e estabelecer contato formal com os Turcos.

Eles mantiveram contato constante com Ron sobre o que estavam fazendo, queriam que Ron encabeçasse a escavação embora Ron não fosse ligado a organização deles. Seria uma honra, mas nós não acreditamos que alguma coisa aconteceria. Até agora só havia aparecido pessoas com grandes idéias e promessas de ajuda, que se dissolviam no ar. Foi uma surpresa quando o Dr. Roberts nos chamou para dizer: "eu tenho o compromisso que podemos adquirir a licença; vamos"!

Ron, Richard Rives, o Marv Wilson e o Dr. Roberts estavam em Ancara, prontos para fazer a escavação. Eu tinha preparado um diagrama para não danificar os restos da arca, deixando seções semi escavadas de forma a que ninguém pudesse dizer que as peças eram esculturas.
Quinta-feira, 29 de agosto, apresentamos a proposta de escavação, foi nos dito para voltar na segunda-feira e apanhar a licença que seria emitida, porque era um Dia Santo muçulmano e os escritórios ficariam fechados.
Durante a espera de 3 dias e meio, eles decidiram ir ao sul de Erzurum, onde o Ron suspeitava ser a localização da torre de Babel. Isso é uma outra história que eu não contarei aqui, basta dizer que todos os presente estavam ansiosos para ir. Eles chegaram sexta-feira em Erzurum e Dilaver adquirir um micro ônibus para os levar ao sul. Estava escurecendo, mas eles decidiram ir de qualquer maneira. Foi uma péssima idéia; o ônibus acabou sendo detido num bosque por um enxame de homens armados, que depressa os desembarcaram do ônibus.

Os homens eram do PKK, um grupo de rebeldes curdos, conhecido por levar reféns. Eles só quiseram os reféns estrangeiros; os americanos eram sua meta principal, levaram no próprio ônibus o grupo de Ron e um turista da Inglês. Foi uma provação terrível; o Dr. Roberts escreveu um livro sobre esse assunto que achamos bastante bom.

Em casa, descobri o que tinha acontecido quase imediatamente. Eles foram levados aproximadamente 8:00 pm. horário turco; é engraçado o tipo de detalhes do que você se lembra durante situações de crise. Eu me lembro que nessa hora estava numa loja de colchões para comprar uma cama nova como surpresa para Ron quando ele retornasse para casa.

No dia seguinte, recebi uma chamada de Bob, um geólogo do Estado de Tennessee, ele ouviu em uma rádio Cristã que 3 americanos, um australiano e um inglês foram levados como reféns na Turquia oriental, ele me chamou para saber se eram Ron e seus companheiros.

Mas meu primeiro instinto, não era o grupo de Ron. Eu pensei que eles não estariam na Turquia oriental. Mas ao mesmo tempo, eu entrei em pânico. Liguei ao Departamento de estado, nunca esquecerei aquela conversa:

"Oi, Meu nome é Mary Nell Wyatt, há pouco ouvi que três americanos foram levados como reféns na Turquia oriental. Provavelmente não é meu marido, cujo nome é Ron Wyatt, mas você poderia verificar isto para mim, vocês ouviram qualquer coisa"? Essas foram minhas palavras aproximadas.
Ele respondeu, vejamos,... (pausa) o nome de meio de seu marido é Eldon "? Eu fiquei em pedaços; - esse é o nome do meio de Ron! Quando ele me perguntou, soube que era verdade. Não sei o que teria feito sem minha amada filha. Ela tinha 17 anos, mas foi muito forte quando as coisas desabaram; ela me se tranqüilizou. Eu me lembro que estávamos orando no corredor; pedi para o Senhor nos ajudar, proteger os homens, e usar isto para a glória dele.
Eu consegui chamar as outras esposas, Elizabeth Rives, Renetta Wilson e Margaret Roberts, e lhes contei o pouco que soube; oramos muito juntas, elas ficaram incrivelmente calmas. Elizabeth e Richard tinham duas crianças pequenas em idade escolar.
Aproximadamente duas horas depois, fomos entrevistadas, Amanda e eu estávamos completamente tranqüilas, de forma que os amigos de Ron no hospital disseram que não devíamos amar muito nossos maridos, por não aparecermos muito transtornadas na TELEVISÃO!
Nós as esposas discutimos coletivamente sobre o que faríamos, decidimos tirar proveito da cobertura de mídia para contar sobre a Arca de Noé. Eu recordei como em 1984, quando Ron tinha sido acusado falsamente de roubar artefatos da Turquia, como aquele incidente tinha servido dar publicidade a pesquisa no local.

Às vezes nós fomos tratadas com ceticismo e oposição aos fatos. Mas uma coisa dita em várias entrevistas, e que não estávamos muito angustiadas por causa de nossa fé. Eu até fui convidada para apresentar evidências da a Arca de Noé em uma escola secundária pública.
Renetta vive perto de Dallas e teve muitas oportunidades para testemunhar a fé, como fez Elizabeth que constantemente me surpreendia. Margaret na Austrália era mais fervorosa que nós éramos, mas ela exibiu uma fé incrível e uma coragem pela provação.

Uma coisa desagradável estava vindo dos críticos habituais; um repórter tinha falado que Ron era desonesto e tinha fabricado evidências. Este homem, junto com outros, estavam inventando que o seqüestro foi organizado. Com isso, eu conheci meu limite.

Com um nosso amigo policial, o Sgt. Mark Wynn, como testemunha procurei este homem; lhe pedi um favor como um Cristão; pedi se abstivesse de caluniar meu marido enquanto ele estava perdido, fiz isso mesmo sem sabe se ele estava vivo ou morto. Reconheço que ele tem direito à opinião sobre Ron; eu não pretendi negá-la, mas pedi como um favor, que evitasse maldizer Ron até ele retornar para casa.

Ele finalmente concordou, mas só depois de uma conversa longa na qual ele me falou que as descobertas de Ron eram mentiras lamentáveis. Eu acabei arrependida como tristeza, talvez Ron não gostaria nada disso. Mas essa conversa causou uma reação nele que eu ainda não sei interpretar.

Com David Fasold a história era diferente. Ele estava furioso com o acontecido. Não importava se Ron estivesse trabalhando independentemente, ele estava pronto a salvá-lo. Ele falou de ir falar com os chefes do PKK; não estou segura o que o David planejava fazer, mas ele percebeu que realmente não poderia fazer nada. Porém, eu sempre lembrarei com gratidão da sua vontade.

Quando o episódio terminou e Ron veio pra casa, eu pela primeira vez tinha visto nele em um estado debilitado. Ele tinha perdido mais de 20 lbs. e estava mancando, um dano que não parecia sério. Eu o surpreendi com a cama nova, ele não conseguiu usá-la de imediato, pois estivera dormindo no solo frio durante 2 semanas. Hábitos são uma coisa engraçada; Elizabeth teve que preparar tomates e pepinos para o café da manhã de Richard; coisas que eles tinham comido enquanto estavam nas colinas.

Havia uma pequena atenção de mídia, então tudo se tranqüilizou, quase normal. Um fato triste era que agora não havia mais tempo para escavar; a estação havia terminado. E a corporação britânica principal financiadora retirou a ajuda financeira.

Dr. Por outro lado, Roberts tinha recebido uma tremenda publicidade na Austrália e começou a sofrer uma perseguição horrenda de um famoso geólogo ateu, Ian Plimer. Ele sofreu uma provação terrível que o tinha abalado. Nós não sabemos os detalhes, mas estamos pedindo em nossas orações por ele. Ele sofreu flebites durante a provação como refém ainda não esta completamente curado.

Em agosto de 1992, nós levamos o segundo grupo de excursão à Arca de Noé. Quando nos aproximamos Dogubeyazit, estendido pelo céu um lindo arco-íris, encostamos o ônibus; todos fotografaram a esplendida visão. Alguns estavam dizendo que era um sinal; nesse caso, não era um sinal do que nós esperávamos.

Em seguida voltamos ao ônibus e seguimos a estrada, um grupo de soldados nos sinalizou abaixo, uma pessoa subiu a bordo e falou em inglês. Depois de uma interrogatório, fomos informados que não poderíamos ir. A região estava instável, um ônibus era um objetivo muito grande para os terroristas.

A decepção nas faces das pessoas era horrível, como a minha quando quis ver a arca em 1988. Entretanto, Henry Gruver nos conduziu numa oração, e todos pareciam em paz. A viagem estava se transformando de fato numa aventura real... Nem mesmo era permitido ir para um hotel em Dogubeyazit. As ordens eram deixar a região.

Não pudemos retornar a Erzurum assim fomos a Agri. Uma vez lá, Dilaver nos levou ao melhor hotel da cidade, que era terrível; mas ninguém reclamou, e ao invés disso todos pareciam passar um tempo maravilhoso.

Ron se encontrou com a polícia para arranjar alguma maneira de todos irem para o barco, mas eles disseram que isso poderia ser feito colocando as pessoas em táxis e entrarem lá em pequenos grupos. A razão deles era que os terroristas não suspeitariam de táxis. Mas com a responsabilidade da segurança do grupo nas mãos, Ron decidiu que esta não era uma opção. A região estava ficando muito perigosa para visitas

Em julho de 1987, um mês depois da cerimônia de dedicação, John Baumgardner, Salih Bayraktutan da Universidade de Ataturk, Tom Fenner de GSSI, e outros, voltaram ao local para fazer um exame com radar, sob a autoridade do Principal Ministério turco. Nós possuíamos uma cópia daquele relatório, eu queria estar segura da sua autenticidade, levei uma cópia, e quando Ron e eu nos encontramos com Salih Bayraktutan, mostrei para ele a cópia do relatório e perguntei se era autêntico; ele me assegurou que era. Este relatório é importante porque declara que eles não conseguiram os mesmos resultados de radar que Ron e David fizeram, uma tentativa para lançar dúvidas na precisão do exame deles.

Nete documento, cheio de termos técnicos e expressões, declaram: "Todo exame foi obtido com o radar operando a uma freqüência de 120 MHz para alcançar a máxima penetração". Isto significa que eles fixaram o radar para não refletir o que havia dentro da estrutura, mas sim o que estava no fundo. Então, os resultados deles não invalidaram os exames anteriores, que usou várias freqüências para refletir a estrutura a várias profundidades.

Neste relatório, declara-se, " Nós concluímos que os dados de nossas investigações geofísicas de nenhuma maneira esta em conflito com a proposição do incomum local do barco moldado próximo a aldeia de Mahser conter os restos da Arca de Noé; Porém, sem amostras dos materiais interiores sentimos que as interpretações definitivas de nossos dados não são possíveis. Por outro lado, nós acreditamos que amostras alcançáveis por pequenas perfurações no local pode-se prover a informação requerida".

O tal relatório declarou que os testes deles não estavam em conflito com a idéia da Arca de Noé. Eu ouvi isto pessoalmente.
Em busca da Arca de Noé - Conclusão.

A chave inteira para entender a evidência que confirma que este local contém os restos da Arca de Noé de fato, está no entendimento da condição dos restos. O "mundo" tem uma noção preconcebida do que aceitarão, e isso é: um navio de madeira reconhecível, (ainda intacto depois de 4,300 anos), e o navio deve estar na montanha vulcânica conhecida como Mt. Ararat.

A evidência "barco moldado" que nós em confiança completa, referimos como "Arca de Noé", que só foi preservada porque foi coberta em fluxo de lava que efetivamente lacrou-a em um tipo de cápsula de tempo. Porém, a montanha em que a arca esta não é vulcânica. há evidência que a lava foi o resultado de uma erupção de um vulcão muitas milhas ao sul no Irã atual.

A lava daquela montanha foi lançada e levada sobre a localização da presente arca. A existência deste vulcão é provada pelo Estela quebrada que Ron achou em 1984 próximo ao cume onde pode-se ver o cume sem igual de um vulcão posicionado próximo ao sul. Hoje, este vulcão desmoronado só pode ser visto do topo da montanha.

A lava começou a escoar ao lado da montanha e cobriu a arca. O caminho da lava pode ser visto distintamente na área do fluxo de lama presente. Por um período longo de tempo, a lava lentamente se deteriorou. Então, quando a lava deteriorou-se finalmente em terra, o fluxo de uma tremenda quantia de água que foi erodindo tudo, às vezes rapidamente causando deslizamentos, expôs a Arca.

Se foi assim, por que a arca não foi queimada? Há 2 possibilidades: a lava rapidamente e completamente cobriu a arca, isto cortou a provisão de oxigênio e a combustão não foi possível. Mas, supondo-se que ela foi coberta mais lentamente, primeiro pela lama e depois selada pela lava.

De qualquer modo, o fato da arca ser coberta através de lava que não significa de qualquer forma que foi queimada. O fato das coberturas desmoronar uniformemente indica que foi coberta rapidamente tendo cortado a provisão de oxigênio.

A lava cobriu a arca e lacrou-a em uma cápsula apertada! Assim por que é agora visível? Por que ainda não esta dentro da lava? Porque a lava deteriora-se com o passar do tempo em terra fértil. As terras que desenvolve-se da decomposição das lavas, são excepcionalmente ricas em potássio, e fosfato... Muitos distritos do mundo com uma população agrícola devem a riqueza de suas terras ao material vulcânico.

O Havaí é um excelente exemplo disto; a terra maravilhosa de lá produz flores exóticas e bonitas que nós associamos com o paraíso, é um resultado da se deterioração da lava, tão rico nos nutrientes necessários para um crescimento perfeito.

A arca esta situada num lado montês inclinado. A lava deteriorou-se com o passar do tempo, a região experimenta vários meses de neve com temperaturas muito frias. Pela primavera, a neve derrete e faz a água fluir montanha abaixo erodindo material que cobriu a arca.

Como a água lentamente vazou em cima das estruturas preservadas da arca, começou a lavar as partículas da madeira e os ajustes de metal da estrutura. Isto aconteceu em nível molecular; no processo chamado petrificação, ou substituição mineral.

Para se petrificar um objeto, são exigidas duas coisas: o objeto tem de ser enterrado rapidamente, e a água tem que fluir por ele. Se não for hermético e sem água que flui por cima sofre de decadência e não é preservado. Alguns cientistas serão rápidos em afirmar que a petrificação leva milhões de anos para acontecer, mas isto não é verdade. Se a petrificação não acontecer rapidamente, a taxa de deterioração do objeto simplesmente o destrói.

A arca durante muitos anos ficou escondida desde que se cobriu pelo fluxo de lava que incidentemente a levou parar abaixo na montanha até que foi escorada pela rocha. Mas uma fotografia de grande altitude feita durante uma pesquisa da OTAN mostrou o esboço incrível de um navio no lado da montanha no final dos anos 1950.

A primeira expedição para o local em 1960 não viu nada que poderiam reconhecer como sendo de um objeto artificial porque tudo aquilo que era visível se deterioraram na lava e na erosão. Aqui e ali uma pedra de madeira petrificada de fato, mas sua condição desbotada camuflou sua verdadeira identificação. A expedição não entendeu o que viram; eles estavam procurando um barco intacto.

Então, em 1978, um de terremoto revela a forma misteriosa dos lados. Com a terra removida dos lados, o objeto assumiu mais ainda a forma reconhecível de um navio. Os lados exibindo intervalos uniformemente espaçados que eram de fato os suportes de madeira.

Essas estruturas internas estão em melhor estado simplesmente porque eles não foram expostos aos elementos. No lado oriental da arca está uma seção na qual as madeiras de costela estão expostas, mas estão se fraturando, sofrendo desgaste; quando Ron e Richard executaram a limpeza na qual as costelas puderam ser visto devido à diferença de cor, agora elas ainda podem ser reconhecidas pela cor em contraste com a terra que é mais escura.

Estas estruturas petrificadas hoje na superfície são mais vulneráveis a erosão. Pelos invernos, a água que vaza nas minúsculas rachaduras da estrutura petrificada sofre expansão ininterrupta devido ao congelamento da água, fraturando-a em pedaços; a estrutura é removida, os fragmentos desmoronam em um montes. Não há mais visivelmente estrutura petrificadas identificáveis - só um montão de pedras. Mas a análise de lab ainda revela nestas "pedras" a presença do carbono orgânico que não estão presente em pedras naturais.
As "pedras" que exibiram as leituras de metal foram as madeiras petrificadas que contiveram metal. O conteúdo de metal se concentra em manchas cujas análises de lab revelaram a presença de metal em concentrações e formas que não são naturais. Hoje, nós temos um arquivo cheio de artigos, criticando Ron e o local. Mas nós temos uma casa cheia de documentação científica. Em última instância, a decisão é sua. Se não é a arca, o que é? Você pode prover outra resposta para esta pergunta? Eu posso dizer que é, porque eu vivo com toda a evidência, dia após dia.

Como acreditamos firmemente, Deus preservou a arca como evidência da precisão e validez da sua Santa Palavra, é importante para você saber a verdade e assim ter uma opinião à respeito. Como Ron disse: Deus proveu toda a evidência de que esta é a Arca. Afinal de contas, Cristo declarou: Lucas 16:31."...Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tampouco acreditarão, ainda que algum dos mortos ressuscite."

Continua.... 

Baseado no original de M. N. Wyatt; Tradução e edição E.M. 29/12/2004



0 comentários:

Postar um comentário

Comente, Questione, Critique, Aconselhe, Tire Dúvidas.

Mas difamações, ataques pessoais, trollagens, xingamentos, atitudes de intolerância, assim como comentários à serviço de militâncias políticas e religiosas não serão aceitos!

Fica reservado ao Blog Filhos de YHWH ou não, de comentários anônimos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

468x60

energia a preço justo
Nelson Neto. Tecnologia do Blogger.
 
Filhos de Yhwh © 2012 | Designed by Nelson Neto